Satisfação desigual

Estudo das empresas CVA Solutions e TheWill2Grow mostra a diferença em relação a satisfação no trabalho segundo homens e mulheres

Redação Você RH

Equidade de gêneros: estudo mostra que apenas 39% das mulheres estão felizes com a profissão | <i>Crédito: Pixabay
Equidade de gêneros: estudo mostra que apenas 39% das mulheres estão felizes com a profissão | Crédito: Pixabay
A desigualdade de gênero pode influenciar no nível de contentamento com o trabalho. É o que mostra um estudo sobre felicidade e profissão feito em março, com 5 200 pessoas, pelas empresas CVA Solutions e TheWill2Grow. 
O estudo mostra que apenas 39% das mulheres estão felizes com a profissão, e 26% dessas mesmas mulheres estão satisfeitas com a renda mensal. 
Por outro lado, quase a metade (49%) dos homens entrevistados disseram estarem felizes com o trabalho, e 33% estão satisfeitos com a renda. Essa desigualdade de descontentamento pode ser explicada por outros dados presentes na pesquisa:

• Enquanto 27,4% dos homens estão em posições de gerência e são responsáveis por equipes, apenas 21,2% das mulheres ocupam os mesmos cargos

• A diferença salarial entre os gêneros pode chegar até 39%: homens diretores recebem, em média, por exemplo, 8 656 reais mensais; já as mulheres ganham 6 206 reais

• Em média, a renda familiar dos homens é 17% maior do que a das mulheres

• Mulheres representam 33,6% dos profissionais que concluíram o nível superior ou uma pós-graduação, e essas mesmas mulheres recebem um salário de, em média, 4 999 reais

• Por outro lado, os homens que concluíram o mesmo nível de escolaridade representam 31,2%, mas recebem, em média, 6 029 reais (mais de mil reais a mais que as mulheres do mesmo “patamar”)

15/02/2017 - 09:00

Você RH nas redes

Coleção CARAS